Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias > Condeúba: Secretaria de Cultura discute a reedição do livro “Memória Descritiva de Condeúba” de Tranquilino Torres
Início do conteúdo da página
Notícias

Condeúba: Município reativa o PAA – Programa de Aquisição de Alimentos

  • Publicado: Quinta, 20 de Julho de 2017, 15h57
Entre os produtos comercializados estão: abóbora, mamão, banana, batata doce, feijão, maracujá, laranja, tangerina, alface, couve, cenoura, entre outros. Foto: Aloísio Costa.
imagem sem descrição.

Retomou as atividades neste mês de julho em Condeúba o PAA – Programa de Aquisição de Alimentos, criado em 2003 pelo Governo Federal para colaborar com o enfrentamento da fome e da pobreza no Brasil e, ao mesmo tempo, fortalecer a agricultura familiar e que vem contribuindo com a valorização dos pequenos produtores e a melhoria da sua renda e qualidade de vida, conforme destaca o secretário de Agricultura do município, Leandro Neves Faria. “O Programa propicia a aquisição de alimentos de agricultores familiares do município, com isenção de licitações e a preços compatíveis aos praticados nos mercados regionais. Isso tem promovido a valorização dos pequenos produtores, aumentando sua renda e melhorando a qualidade dos produtos que chegam aos beneficiados pelo programa”. Destaca o secretário.

Entre os produtos comercializados estão: abóbora, mamão, banana, batata doce, feijão, maracujá, laranja, tangerina, alface, couve, cenoura, entre outros. Foto: Aloísio Costa.

Hoje o município conta com 67 agricultores cadastrados que semanalmente entregam os produtos na Secretaria Municipal de Agricultura, responsável pela distribuição junto às entidades beneficiadas. Estes produtos, ente eles: abóbora, mamão, banana, batata doce, feijão, maracujá, laranja, tangerina, alface, couve, cenoura, entre outros, são distribuídos para o CRAS – Centro de Referência em Assistência Social; Hospital Municipal e CEMAE – Coordenação Municipal de Alimentação Escolar.

Segundo Alice Prates, coordenadora do PAA em Condeúba, as atividades do programa devem seguir até o mês de dezembro deste ano onde serão disponibilizados para o município cerca de R$120.000,00 (cento e vinte e mil reais), aproximadamente R$50 mil a menos do que em 2016, para serem gastos na aquisição dos alimentos junto aos produtores. “Esse valor disponibilizado será gasto na compra dos alimentos dos produtores familiares cadastrados. Hoje temos 67 e esperamos que esse número aumente nos próximos meses. Pelo programa cada produtor pode atingir o valor máximo de R$6,5 mil por proposta”, ressalta.

Distribuição feita pelo CRAS às famílias cadastradas. Foto: Aloísio Costa.

Dentre as instituições que recebem os alimentos adquiridos pelo PAA está o Centro de Referência em Assistência Social. Segundo a Coordenadora do CRAS, Edelma de Oliveira, os alimentos destinados à instituição são, em sua maioria, entregues para as 64 famílias cadastradas na instituição. “Hoje a política do PAA pra poder fazer essa distribuição acontece da seguinte forma: primeiro quem tem prioridade são as crianças, os usuários que estão no serviço do CRAS com baixa renda. Também fizemos abertura para a população fora do CRAS que foi cadastrada levando em consideração a renda, número de pessoas na família, se pagam aluguel ou não e rendimento, de forma a ser justo com as que mais precisam”. Edelma destacou que a outra parte dos alimentos é destinada à cozinha do CRAS e é utilizada no preparo de merenda servida diariamente aos usuários que participam dos grupos de convivência, que vai desde crianças de 03 anos a idosos de 80. “Cada dia que passa a distribuição tá aumentando, a gente tá recebendo mais alimentos e podendo cadastrar novas famílias. Eu espero que até o fim do ano estejamos com pelo menos 100 famílias cadastradas”, acrescenta Edelma.

O secretário de Agricultura destaca que dentro da cadeia produtiva do município, o PAA consegue abranger os produtores de hortaliças, frutas, verduras e alguns legumes, mas as expectativas são de que até o fim do ano se consiga incorporar dentro do programa a parte de alimentos vegetais processados como a farinha, bolos, biscoitos e derivados. “Até o momento esses produtos não foram incorporados porque as unidades produtoras não têm o alvará da Vigilância Sanitária. Já contatamos todos os produtores e com as pessoas responsáveis pelas entidades e estamos buscando essa documentação para que o programa possa abranger uma quantidade maior de alimentos, beneficiando assim os produtores e as entidades”, reforça Leandro.

Leandro Faria destaca a importância de reativação do PAA no município como forma de incentivo à agricultura familiar e valorização do produtor agrícola. Foto: Aloísio Costa.
registrado em:
Fim do conteúdo da página